O olfato, os aromas, a memória e as emoções

Todo mundo gosta de sentir aromas agradáveis, e se você além de sentir um aroma agradável, em conjunto lembrar de momentos importantes e felizes, que acalentam a alma, isso ativa ao que chamamos de memória olfativa.

Um exemplo clássico para mim é quando sinto o aroma de açúcar mascavo, automaticamente, lembro do armário da cozinha da minha avó e, consequentemente, dela, o que me deixa com uma sensação aconchegante e feliz. É muito comum em alguns posts de redes sociais você ler a descrição de alguns aromas que remetem felicidades as pessoas, no geral, como: “cheiro de terra molhada”, “cheiro de café”, “cheiro de pipoca”, “cheiro de livro novo”, “cheiro de prova passada no mimeógrafo” e por ai vai.

A questão é que existe sim a conexão: aroma-memória, ao que chamamos de Memória olfativa ou aquele cheiro que te faz lembrar de algum momento vivido, ou a capacidade de associar aromas e gerar lembranças, memórias, no sistema límbico, que é responsável também pelas nossas emoções. Portanto os cheiros têm o poder de interferir no comportamento humano e no seu emocional e isso pode ajudar e muito na sua vida pessoal e profissional, por exemplo utilizando um determinado aroma, que crie uma identidade do cliente ou paciente com a sua loja, seu escritório, consultório. Você já pensou nessa possibilidade? O que você já fez a esse respeito?

Compartilhar

Digite para procurar

Carrinho

Nenhum produto no carrinho.